Trabalhe a concentração e melhore sua saúde mental

Pessoas foto criado por pressfoto – br.freepik.com

A campanha do Setembro Amarelo foi organizada pela Associação Brasileira de Psiquiatria para conscientizar sobre a suicídio. Cabe ressaltar que embora esta campanha seja enfatizada neste mês, ela se estende no decorrer de todo ano. Esta discussão é de extrema importância, pois trata de uma triste realidade no Brasil, que registra cada vez mais casos de suicídio, em que mais de 98% dos casos estão relacionados com transtornos mentais, com destaque para a depressão (Fonte: https://www.setembroamarelo.com/). Por isso, neste mês a saúde mental tem sido discutida amplamente, pois a saúde mental trata-se da forma como a pessoa reage diante aos eventos da vida.


É notório que a dinâmica da vida moderna imposta a rotina dos seres humanos tem causado um aumento de estresse, seja pela vida corrida, seja pela falta de tempo para atividades e lazer, seja pelo trânsito exaustivo das grandes cidades, pela necessidade da intensa capacitação para competição no mercado de trabalho, etc. Seriam muitos itens que poderiam ser listados para exemplificar os fatores estressores que consomem nossa saúde mental no dia-a-dia.


Neste contexto, o Mindfulness tem surgido como uma possibilidade de um programa para redução de estresse e ansiedade (PETERSON e PBERT, 1992). O princípio do Mindfulness é o seguinte, as pessoas costumam agir de forma muito automática e com a prática do programa a pessoa seria treinada a ter plena atenção para a ação no momento atual, se esforçando para alcançar uma meta e estando menos alienadas do mundo (KABAT-ZINN, 2003).


No Mindfulness, a pessoa pode realizar exercícios tais como varredura mental do corpo com atenção concentrada de duas formas: exercícios formais e informais. Em todos os exercícios, o participante deve perceber todas as sensações corporais sentidas durante um período de concentração, ressaltando sobretudo a percepção da respiração.


Nos exercícios formais, a pessoa realiza movimentos que não são comuns no dia-a-dia, tais como alongamento e exercícios ativos lentos, tendo total concentração e atenção a respiração e ao movimento realizado (por isso, deve ser realizado lentamente). A pessoa precisa abandonar os pensamentos cotidianos e concentrar-se apenas na tarefa realizada no momento. Os exercícios informais são um pouco mais difíceis para um iniciante da prática, pois trata-se de se concentrar-se em situações cotidianas, tais como subir escadas, executar uma atividade laboral, estar junto de amigos, etc. Os exercícios consistem em vivenciar plenamente a situação atual, extraindo os pontos positivos e negativos da experiência. Desta forma, a pessoa deve aprender a lidar com a vida cotidiana de forma criativa e principalmente dando total atenção ao momento (KABAT-ZINN, 2013).


CHANG et al. (2004) mostraram que a prática de meditação com atenção plena como proposto pelo programa de Mindfulness tem um potencial para reduzir a percepção de estresse, logo, diminuir a sensação dele, aumentando assim a capacidade de não se focar em agentes estressores e desenvolvendo uma postura positiva diante da vida, assim favorecendo a nossa saúde mental. Então, vamos trabalhar nossa concentração para melhorar nossa saúde mental?


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

CHANG, Vickie Y. et al. The effects of a mindfulness‐based stress reduction program on stress, mindfulness self‐efficacy, and positive states of mind. Stress and Health: Journal of the International Society for the Investigation of Stress, v. 20, n. 3, p. 141-147, 2004.

KABAT-ZINN, Jon. Mindfulness-based stress reduction (MBSR). Constructivism in the Human Sciences, v. 8, n. 2, p. 73, 2003.

KABAT-ZINN, Jon. Full catastrophe living, revised edition: how to cope with stress, pain and illness using mindfulness meditation. Hachette uK, 2013.

PETERSON, Linda Gay; PBERT, Lori. Effectiveness of a meditation-based stress reduction program in the treatment of anxiety disorders. Am J Psychiatry, v. 149, n. 7, p. 936-943, 1992.


Texto narrativo elaborado por Viviane Bastos de Oliveira
Doutora em Engenharia Biomédica
Fisioterapeuta do Trabalho